img

BeGreen reaproxima fazenda da cidade

11 de maio de 2017 Sem Comentários

Belo Horizonte recebe hoje a primeira Fazenda Urbana da América Latina, por meio de uma parceria entre o Boulevard Shopping e a Startup BeGreen. Esse modelo de negócio baseado na sustentabilidade e produção de hortaliças sem agrotóxicos possui apenas oito unidades em todo mundo, que estão nos EUA, Suíça, Alemanha, Holanda, Suécia e Japão.

 

 

O espaço de 2.700 m² funcionará no espaço externo do shopping com acesso pelo piso 2. Além da ter uma estufa com capacidade de produzir até 50 mil pés de alfaces baby/mês sem uso de agrotóxicos e em consórcio com a criação de peixes, o espaço foi todo construído aliado à sustentabilidade com com containers que virariam sucata; as mesas e cadeiras do espaço tem como matéria prima a madeira plástica; e o piso foi feito com material de rejeito de mineração. No local também haverá a loja Casa Horta, para a venda dos produtos cultivados e de produtores locais; e a Casa Amora, restaurante conceito ‘farm-to-table’.

 

 

A Fazenda Urbana tem como principais premissas o comércio justo, a produção sustentável e não prejudicar o meio ambiente. O projeto, além da produção livre de agrotóxicos (orgânica), traz todo um conceito alicerçado na sustentabilidade. No espaço, será utilizado o composto proveniente do lixo orgânico da Praça de Alimentação do Boulevard como substrato para o crescimento das verduras; e haverá redução do consumo de água com captação da chuva. Além disso, não terá emissão de CO², pois além da autossuficiência elétrica do projeto, o consumidor final irá adquirir os produtos da fazenda in loco, sem serviços de logísticas e entrega.

 

 

O local será um verdadeiro parque de diversões para quem segue uma vida saudável e trará uma série de benefícios para os visitantes. O projeto também contempla várias ações integradas, como a realização de ações de conscientização de crianças e jovens de escolas públicas e privadas, e eventos e treinamentos de produção sustentável que pretendem atingir pelo menos 1 milhão de pessoas por ano. “Nosso principal objetivo é demonstrar que é possível ser sustentável e produtivo gerando mais empregos, menos lixo e sem prejudicar o meio ambiente. É um projeto inovador, que segue um movimento global que aproxima a produção do consumidor final. O consumidor saberá a procedência de tudo que está consumindo”, explica um dos idealizadores do projeto, Giuliano Bitencourt.

 

 

 

Leia abaixo uma entrevista com o administrador responsável pela fazenda, Pedro Graziano.

Por que Belo Horizonte foi a escolhida para receber a primeira Fazenda Urbana da América Latina? 

Foram vários fatores. O primeiro é pela característica urbana da cidade: Belo Horizonte tem um grande perímetro urbano, uma alta concentração populacional e está ficando cada vez mais longe do chamado cinturão-verde (zonas rurais de produção de alimentos). Hoje as principais produções de hortaliças estão há pelo menos 50km do centro da cidade. Belo Horizonte também é uma das cidades mais acolhedoras do Brasil pela natureza e carisma de seu povo e tem uma grande concentração de movimentos de alimentação saudável, qualidade de vida e negócios de impacto. Outro fator importante é que a BeGreen já opera nos principais supermercados e restaurantes da cidade há 2 anos – onde vendemos hortaliças sem agrotóxicos até então produzidas no município de Betim.

 

Quais são os principais desafios que esse conceito ‘farm-to-table’ ainda tem pela frente em relação ao mercado e ao consumidor brasileiro?

Farm-to-table é um conceito muito novo, ainda mais para os brasileiros por ainda ser inédito, e a prática ou execução deste conceito estava ainda mais distante do consumidor. Porém, como um movimento global, a agricultura urbana já é uma realidade de cidades inteligentes e desenvolvidas e será, sem dúvida, o futuro das próximas gerações. Os principais desafios ainda estão no poder público. As prefeituras e demais órgãos regulatórios ainda não estão preparados para receber uma atividade rural dentro da cidade, e quebrar essa barreira pra evoluir dentro do Estado sempre foi um grande desafio de empresas inovadoras no Brasil e não é diferente para a BeGreen.

 

De que forma o projeto pretende resgatar essa conexão das pessoas da cidade com a comida?

Minha avó me dizia que há algumas décadas toda família comia o que plantava no quintal de casa, porém a população veio para a cidade e as produções de alimentos continuaram no campo. Esse movimento nos trouxe problemas como perda de qualidade do alimento, alto desperdício, dificuldade na fiscalização, aumento de preços, piora do trânsito, aumento de emissão de gás carbônico, entre outros. Agora está na hora da reconectarmos as pessoas com seus próprios alimentos e a BeGreen fará isso de forma muito simples e integrada. Ao trazer a produção para o centro da cidade, todos saberão a origem de seu alimento, poderão visitar, conhecer e acompanhar o crescimento de cada cultivar – exatamente como minha avó fazia antigamente. As crianças poderão aprender, na prática, como funciona e como se produz os ingredientes de sua salada enquanto os pais terão acesso à produtos frescos de verdade, sem agrotóxicos e com preço acessível. Desta forma estaremos impactando toda a família e toda a cidade, pois haverá menos desperdício, menos água utilizada, menos caminhões nas ruas, menos emissões de gases poluentes e muito mais sabor, frescor e qualidade de vida.

img

Reciclalata desembarca em BH

8 de abril de 2016 Sem Comentários

A partir da próxima segunda-feira (11 de abril), a Praça da Liberdade vai ficar mais colorida com a exposição itinerante Reciclalata. Belo Horizonte irá receber 16 latas gigantes que vão ficar expostas na praça. Cada cidade que recebe a exposição escolhe um artista local para pintar uma das latas. Na capital mineira, o escolhido foi o artista Rogério Fernandes.

 

bloglatas1

 

As latas gigantes customizadas em diversos estilos serão instaladas na Praça da Liberdade e, em seguida, ficarão expostas no Boulevard Shopping para homenagear os 25 anos da lata de alumínio no mercado brasileiro. A proposta do projeto é ressaltar a importância da reciclagem, em especial a do alumínio. A reciclagem consome apenas 5% de energia elétrica quando comparada à produção do alumínio primário e reduz em 95% a emissão dos gases de efeito estufa, além de gerar renda para milhares de pessoas.

 

bloglatas2

 

Ao todo, serão apresentadas 16 latas customizadas por artistas nacionais, com 1,9 metro de altura e cerca de 1 metro de diâmetro. Depois, as latas viajarão pelo Brasil e passarão por cidades como Brasília e Rio de Janeiro. A cada capital visitada, a exposição itinerante ganhará uma nova lata produzida por um artista local. Em Minas Gerais, o artista escolhido é Rogério Fernandes, reconhecido por muralismos e telas com forte influência da xilogravura nordestina com tons de realismo.

 

reciclalata01

 

Serviço: Exposição Reciclalata

Praça da Liberdade – Belo Horizonte (MG) – de 11 a 30 de abril

Boulevard Shopping –Belo Horizonte (MG) – de 01 a 10 de maio

 

A intervenção urbana é uma realização da Toptrends em parceria com a Novelis, líder mundial em laminados e reciclagem de alumínio. O evento conta com o apoio institucional da Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur).

 

OBS: Esse não é um post patrocinado!

img

Primeira casa sustentável da América Latina

23 de fevereiro de 2016 1 Comentário

Com 40 anos de atuação, os empreendimentos horizontais do Alphaville já são reconhecidos em diversas cidades do país, mais precisamente nos seus 110 empreendimentos já lançados em 22 estados do Brasil, mas uma das casas do residencial Alphaville Dom Pedro, em Campinas, começou o ano se destacando por ter recebido o selo LEED for Homes. Com a certificação, a casa se tornou a primeira moradia inteiramente sustentável da América Latina – conforme a assessoria de imprensa do empreendimento.

 

alphaville01

 

O LEED é um selo internacional de certificação e orientação ambiental, criado em 1998 pela USGBC para edificações sustentáveis utilizado no Brasil e em 150 países, principalmente em prédios comerciais, lojas, shoppings e residências. A versão residencial, LEED For Homes, foi lançada em 2007. O empreendimento deve cumprir pré-requisitos e obter créditos comprovando a adoção de práticas de sustentabilidade ambiental, de acordo com as recomendações em categorias: inovação e projeto, localização e transporte, implantação sustentável, gestão da água, eficiência energética, materiais sustentáveis, qualidade do ambiente interno e práticas sociais.

 

 

A casa que recebeu a certificação conta com gerenciamento da drenagem das águas pluviais, torneiras de fechamento automático, paisagismo que privilegia espécies nativas, placas de aquecimento solar, uso de madeira certificada, medidor de CO2 e paredes estruturais com EPS.

 

 

 

A certificação foi entregue em novembro (de 2015) ao proprietário da casa e para a empresa LCP Engenharia, responsável pelo projeto.

img

Jogar sabonetes fora, nunca mais!

26 de agosto de 2015 6 Comentários

Um incômodo de toda uma vida sempre foi jogar restos de sabonete fora, mesmo sendo aquele mísero pedacinho que você quase não consegue segurar com as mãos porque vive escorregando na hora do banho. E aí, então, depois de muita pesquisa eu fui selecionando as melhores ideias e as minhas preferidas, além daquela tradicional de tentar colar a sobra com o próximo sabonete…

 

sabonete01

 

Dica principal: ter um pote de vidro no banheiro para ir guardando as sobrinhas. Recipientes reaproveitados também são bem-vindos. Pode ser potes de azeitona, cogumelos, geleia…

 

Depois de muitos pedacinhos acumulados é hora de escolher a sua opção de reaproveitamento:

 

1) Novos sabonetes: basta cobrir os pedaços com água e deixá-los assim por alguns dias para que eles derretam. Em seguida, leve ao fogo para que eles terminem de dissolver por completo. Mexa o tempo todo. Após esse processo, quando a massa já estiver bem homogênea, basta colocá-los em forminhas de gelo. Quando esfriar, é só desenformar.

 

sabonete02

 

 

2) Lavar roupas: outra dica, que até agora foi a que mais gostei, foi essa. Basta pegar os pedacinhos de sabonete, passe-os por um ralo fino, ou faça pequenos pedaços com uma faca e quando for lavar as roupas, misture-os ao seu sabão em pó tradicional, dentro do recipiente da máquina mesmo. Dizem que é ótimo para tirar manchas de gordura!

 

3) Sachê: também é possível juntas todas as sobrinhas em um saquinho de tule ou renda, amarrar a ponta e deixar o seu saquinho em gavetas e armários para que os sabonetes continuem exalando aquele cheirinho. De tempos em tempos é necessário trocar os sachês porque os sabonetes vão acabar ressecando e perdendo o cheiro.

 

sabonete03

 

Jogar fora? Nunca mais! O reaproveitamento é uma atitude sustentável e de respeito com a natureza.

 

Se alguém utiliza alguma ideia de reaproveitamento diferente, me conta aqui nos comentários!!!

 

Vale a pena conferir a ideia de reaproveitamento (sabonete líquido) que a Eliana – do blog Beleza Vegana – fez baseada neste post!

img

Direto da floresta para a sua casa

5 de agosto de 2015 1 Comentário

Nós brasileiros sempre temos a tendência de achar que os melhores produtos são importados. Mas ao longo desse mais de um ano que venho pesquisando assuntos para o blog, percebo que as empresas brasileiras não ficam nem um pouco atrás quando o assunto é sustentabilidade. Boas opções estão bem perto da gente, principalmente quando se tem uma Floresta Amazônica no nosso “quintal”. Um exemplo é a Preserva Mundi que possui diversos produtos orgânicos e biodegradáveis, sempre comprometidos com a agricultura responsável, amiga da natureza e do homem.

 

preservamundi1

 

Nesse mês, eles me mandaram alguns produtos que venho adorando conhecer e usar. Uma das principais matérias-primas usadas pela empresa é o neem – uma árvore de origem indiana, usada há mais de 4.000 anos. Dela praticamente tudo se aproveita: folhas, frutos, sementes e a casca. Em casa, no jardim e até para os bichinhos de estimação, o neem é um poderoso repelente de insetos, além do uso medicinal (auxiliando no controle de colesterol e problemas de pele), eficiência na eliminação de mais de 400 pragas na agricultura e ação bactericida e fungicida na criação de gado. Com essa árvore poderosa a Preserva Mundi produz:

 

– Sabonete de neem (uso humano): preparado a partir de um composto concentrado com as folhas da planta trituradas, óleo de andiroba e aromatizado com citronela. Funciona como um esfoliante natural, ajuda na renovação das células do corpo, controla de oleosidade, coceiras, acne e alergias. Também pode ser utilizado para lavar os cabelos para combater piolhos e controlar a caspa. R$ 10,00 – também tem a versão para uso animal. Gostei bastante!

 

– Chá de neem: na medicina ayurveda (medicina indiana), o neem é apontado como “purificador do sangue”.
Por isso o chá é indicado para auxiliar no tratamento e prevenção de diversas doenças como diabetes, colesterol, hipertensão, reumatismo e enxaqueca, além das propriedades antifúngicas, antibacterianas, antivirais e antinflamatórias, e inúmeras outras indicações. A embalagem com 50 gramas custa R$ 8,00.

 

– Repelente (uso animal e jardinagem/uso humano): para manter longe dos bichos e plantas as pragas que os perturbam e trazem doenças, o neem também pode ser usado como repele natural. O produto é biodegradável e não prejudica a saúde do animal. Nas plantas e jardins, o Repel-neem repele e combate mais de 400 pragas e insetos. R$ 25,00 (fórmula concentrada). Já o repelente de uso humano é composto por neem, andiroba e citronela. O produto é eficaz no controle mais de 400 tipos de insetos, como moscas, mosquitos (inclusive mosquito da dengue), muriçocas, formigas, baratas, traças e carrapatos. R$ 20,00.

 

preservamundi2

 

Óleo de andiroba:  a semente originária da Amazônia é uma espécie de amêndoa, cujo óleo serve de matéria-prima para sabonetes, cremes e xampus, podendo ser usado para inchaços e contusões, repelente, anti-séptico, antinflamatório, e até no combate e prevenção de celulites. Produzido em parceria com comunidades ribeirinhas da Ilha do Marajó, o óleo é extraído de forma artesanal, em prensas a frio (o que contribui para um processo sem adição de componentes químicos), a partir de sementes amazônicas coletadas por comunidades que vivem próximo à floresta. R$ 30,00 (180 ml). O cheiro é bem agradável e senti que ajuda bem na hidratação da pele.

 

preservamundi3

 

Noni – frutinha da saúde: de sabor exótico e cor que lembra o açaí, a noni (morinha critrifolia) é uma fruta utilizada há milhares de anos por povos do Pacífico (na Polinésia), além de China e Índia. Pesquisadores afirmam que a fruta é rica em uma substância chamada xeronina, que ajuda a regular o funcionamento do sistema hormonal, entre outros. Também disponível em duas versões:

 

– Chá: feito a partir da folha da árvore e da polpa da fruta desidratadas. Indicado para uso uma vez ao dia, para auxiliar na digestão e para estimular o bem-estar. A embalagem com 50 gramas custa R$ 8,00.

 

– Suco: rico em antioxidantes, ajuda a baixar e nível de colesterol e ainda contribui para diminuir problemas como insônia, sintomas de stress. Deve ser consumido em doses de 30 ml, em jejum, pela manhã, ou misturado ao suco a outras frutas, como o de uva integral, sem açúcar. Seu suco atua como um alimento funcional e auxilia o sistema imunológico. R$ 75,00 – garrafa de 1 litro. Confesso que no primeiro gole o gosto causa estranhamento, mas depois você se acostuma. Prefiro misturado a outros sucos, como o de uva.

 

preservamundi4

 

Sugiro que saiam da zona de conforto e experimentem produtos diferentes dos usuais (e industrializados). Ajudem a incentivar o comércio justo e os produtos de origem nacional. Todo mundo sai ganhando!

 

OBS: Esse não é um post patrocinado!

Blog Moda Verde
© 2014 Todos os direitos reservados

Andressa Designs